Sem categoria

Desligue a TV e vai pintar uma parede

Tenho uma confissão e vou falar de uma vez: eu só tenho 1 aparelho de televisão em casa. 
Ai… pronto… tô até mais leve.
Ficou surpreso? Não? Então você é dos meus. Porque eu achava normal, já que eu moro sozinha e só tenho 1 cabeça e 2 olhos, ter só uma TV em casa. Mas parece que a maioria das pessoas se espanta com essa “escassa” realidade.
Olha só o tipo de diálogo frequente aqui em casa entre qualquer visita e eu, a anfitriã:
– Ué… você não tem TV no quarto?
– Não.
– E por quê não?
– Porque eu já tenho TV na sala.
– Mas você pode ter uma no quarto também… tem até entrada da TV a cabo, ó….
*longa pausa*
– É.
Até o cara do CENSO fez cara de reprovação ao ouvir minha resposta. “Só UM televisor? Hum…”. Achei até que não teria essa opção de resposta no formulário.
Estranha essa necessidade de se ter uma TV em cada canto da casa né? Ela acaba virando um “tapa buraco”, essa caixinha mágica do mais fácil e preguiçoso tipo de diversão… Companhia para quem mora sozinho? Pode ser… mas em vez de ouvir a TV ao fundo, sempre dou preferência por ouvir meus próprios pensamentos e uma boa música. E já são tantas idéias, tantos pensamentos e tanta música boa pra ouvir e descobrir que, definitivamente, não há espaço pra mais uma TV nesses 50 metros quadrados.
Mas, de tanto ouvir que eu precisava de uma dessas no quarto, resolvi me render ao apelo quando me deparei com essa belezura na feira da Benedito Calixto, em sampa.

Foi paixão à primeira vista, amor em tópicos:
1- Ela é amarela
2- Ela é velhinha e surrada
3- As listrinhas da tela parecem o 1o layout do blog
4- Ela não funciona. Ou melhor, ela funciona, mas do jeito que eu espero que ela funcione!
5- Ela tava em promoção.

Agora ela mora aqui ó, no quarto, dando fim aquela angústia gerada pela ausência televisiva. Tô até dormindo melhor, sabia? 🙂
O poster das freirinhas foi um presente do Carlão, um amigo antigo… e bota antigo nisso! Estudamos juntos desde a 4a série, em um colégio de freiras.
Ele hoje é um baita artista, grafiteiro, diretor de arte e o que mais der na telha. Não é uma delicia ver nossos amigos de infância crescendo e virando adultos talentosos, interessantíssimos, que produzem coisa boa e bonita sem parar? Dá um orgulhinho…
Esse poster, feito por ele, é uma lembrança daquela época gostosa da escola, com uma pitada de ironia e politicamente incorreto, elementos que são marca registrada da sua arte.
Fico imaginando o diálogo da visita aqui em casa a partir de agora:
– Ih, você comprou a TV!
– Sim.
– Ué… mas ela não funciona…
*longa pausa*
– É mesmo… droga, não tinha percebido. Agora vai ficar assim mesmo.
*visita deixa o quarto confusa*
Esse vídeo não resume muito bem? Essa tal de internet tem uns achados né? 🙂