casa de cueca colunistas

engrossando a voz… engrossando o coro.

Meu gosto é uma meninice só, admito. Será por isso que eu raramente vejo os rapazes dando o ar da graça por aqui? As mulheres em peeeeso fazem parte dessa  troca diária e deliciosa de comentários aqui no blog. Mas e os cuecas? Pouco se sabe, pouco se viu. Mas fique sabendo eles curtem o blog, disso eu sei. Pois, mesmo ausentes nos comentários, eles são presença constante nos e-mails. Lá, protegidos pelo anonimato, mandam sugestões, tiram dúvidas e dividem  histórias. Os homens adoram decoração, gente!

Por isso, peço, rapazes, saiam do anonimato! Pois a partir de hoje, semana sim, semana não, vamos abrir as portas pro nosso primeiro colunista do blog, que assinará o Casa de Cueca. Meu amigo desde a 4a série, ele veio pra falar de decoração off-frufru, design e provar que decoração pra macho também pode ser colorida.

Então, cuecas, manifestem-se! Com vocês…

Carlos Paboudjian

Tem quase trinta, é carioca morando em sampa e oficialmente trabalha com direção de arte. Mas quem se importa?
Extraoficialmente, Carlão é artista de rua, nascido do skate e guerrilheiro da contracultura. Nietzsche é sua fonte inesgotável de inspiração na vida. Sonha e se esforça pra ver o circo em chamas, afinal, quanto mais fogo, mais fumaça.
Tem uma rixa pessoal com todas essas regrinhas morais intocáveis. Sua arte é inteligente,imoral e até ofensiva (isso se você não curte um humor negro).
Velhinhas chocadas olhando para o muro o deixam demasiado contente.
Enfim, o cara é um brigador à moda antiga, com o coração e o cérebro na ponta do estilete.

______________________________________________________________________________

“É claro que ia rolar uma semi-crise pra decidir como começar aqui. Aí, decidi começar pela base, o ingrediente que dá liga na maioria dos projetos: a indispensável tinta em spray! E como a Thalita usa aqui direto, melhor ainda!

Vamos lá. O mais clássico é você ir em uma loja de tintas/material de construção, procurar por aquele spray com o calhambeque do Roberto Carlos no rótulo e sair rumo à felicidade. Sim, dá certo. E o Casa de Colorir ta aqui pra provar.

 

O que você não sabe é que existe quase tanto tipo de spray quanto tipo de esmalte de unha. Uma infinidade de marcas, cores, tinta brilhosa, tinta fosca…
Pode ser um pouco mais chatinho achar, mas nada que uma pesquisa na internet não resolva. Tem sites com todo o leque de cores disponíveis e ainda entregam em casa!

 

Esses são só alguns tipos de tintas. Nesse projeto, usei essa “BLACK” fosca.

Pra mostrar um pouquinho mais, vamos pra prática, que é bem mais divertido. Vou fazer uma coisa que estou há meses querendo fazer. Logo que me mudei pra São Paulo e estava um calor riodejaneirense por aqui, comprei um ventilador de pé, maneirinho, mas sempre fica a vontade de fazer uma graça… e por quê não fazer agora, em cima da hora, quarta-feira à noite, chegando tarde do trabalho, tendo que entregar o post na quinta?
Vou aproveitar a bagunça que fiz pra pintar o último stencil e mandar a famosa brasa.
Não me venha com desculpinha de falta de espaço pra pintar.

 

1- Começamos por desmontar o  ventilador (o que não vai ser um problema já que eu nunca tirei ele da caixa).
2- O próximo passo seria aquela coisa maravilhosa de lixar até não sentir mais os braços. Se você vai pintar em cima de um material como madeira, provavelmente vai precisar fazer isso. Maaas como é metal, lisiiiinho, menos um problema, não precisa de lixa aqui.
3- Pra aplicar o spray, paciência e controle na ansiedade! O spray não deve ser usado muito de perto para não acumular tinta em alguns pontos eformar poças de tinta ou escorrer, dando aquela depressão pós-parto…Dê uma distância razoável pra ficar bem uniforme, quase uma garoa de tinta :). Não precisa cobrir tudo na primeira sprayzada! Agora é esperar secar, se controlando pra não deixar uma dúzia das suas digitais pra ver se já secou. Com muito cuidado, pra não arruinar a tinta logo de primeira, remonte tudo, coloque a peça no seu lugarzinho, abra uma cervejinha e tá lá!
Foi pra conta.”
Aí o final. Ficou um canto meio Andy Warhol.