Sem categoria

Saara sem lista

Sábado foi dia de ir ao Saara – o que, de certa forma, não é lá nenhuma novidade, né? Confusão? Calor? Bugigangas? O de sempre, meu caro e minha cara, o de sempre. Só que dessa vez, ir ao Saara não era uma função. Não havia uma lista, um objetivo, quiçá uma rua em mente. Fomos passear, simples assim. “No Saara? Tinha lugar melhor não?” Oxe! Onde mais? Muitas vezes, a delícia toda é dar uma volta por lá sem um objetivo fixo, só pra ficar mais atenta às preciosidades que normalmente passam despercebidas. É tanto tesouro aguardando pra ser descoberto que existe entre essas bagunçadas prateleiras que nem sei viu…

E foi assim, de uma ida sem lista ao Saara, que esse post nasceu. A partir de uma série de comprinhas tão supérfluas quanto fundamentais, que não servem para mais nada, além de alegrar uma manhã de sábado e alimentar a alma. Me dei ao luxo, vai… Tem mulher que compra bolsa nova. Eu compro moldurinhas e botões que são um luxo só rs.

Quando dei de cara com esses objetos de resina, fiquei uns 15 minutos escolhendo entre umas 10 opções. Se permitir encasquetar com algo por 15 minutos seguidos no meio do caos: um dos benefícios de uma ida ao Saara sem pressa. Rejuvenecedor, quase. 
Alguns apliques de flores para molduras (R$4), um potinho de água benta (R$10), o puxador de rosa (R$3) e mini moldurinhas (R$8) vieram pra casa comigo. 
Sabe quando você se depara com “O” botão e compra logo 2 sacos? Tipo… só pra ter? Pois é… foi o que me deu quando vi esses botões. Não são uma coisa? Não faço ideia do que eu vou fazer. Mas saber que eu tenho essas balinhas de menta – ou melhor, os botões mais lindos do universo – me traz uma paz interior sem tamanho. #nãomeinterne. Ah, vá… vai dizer agora que você nunca entrou num armarinho ou papelaria e comprou um carareco que nunca usou só porque era bonitinho? Pode ir contando…
O tecido foi uma extravagância e custou o preço de uma blusinha. Mas como já ando metidinha na costura, tô achando que ele tem potencial pra se transformar na blusinha dos sonhos. Como lidar com essa estampa de galinha d’Angola, diz? Não dava pra deixar pra trás, simplesmente não dava!

A moldura de madeira grande e oval (R$13) vai ganhar algumas belas camadas de tinta. Basta decidir qual aplique classudo vai com ela antes de tudo ganhar uma cor só e partir pra parede.

Já dá pra ver que muitos projetinhos aguardam pela frente, né? Mas isso são cenas pros próximos… 🙂

>> Lista de Lojas

Botões menta: Caçula – Rua Buenos Aires, 253 a 265 
Tecido de Galinha D’Angola: Rua Buenos Aires, 237
Demais itens: Caçula (Desenho e Pintura) – Rua da Alfandega, 318