antes e depois faça você mesmo

Como fazer uma parede de Patchwork

Você tem aí uma parede branca, sem graça, que te olha e vive te pedindo um colorido? Se o espaço é muito branco e tudo o que você quer é misturar um monte de cores na parede, vai por mim, invista no… CINZA.
“Ahn? Cinza? Bebeu, moça?”.
Nada disso, minha gente. Não estou falando em desistir das cores. Só estou dizendo pra você abusar delas… em companhia do cinza.
E por quê? Olha, confesso que não posso te dar um motivo, digamos, técnico. É como uma questão de pele, sabe? No quesito atração, parece que o cinza acolhe, abraça uma outra cor (ou várias delas, no caso) como ninguém. Como num romance,  o cinza foi feito para o colorido. E o colorido foi feito para o cinza.
Parece que no branco, o colorido todo se espalha, e acaba falando alto demais num espaço que era quietinho e branquinho até todas essas cores resolverem chegar. Já o cinza… ah, o cinza não… parece que o cinza fala: “chega mais, chega… cola aqui que a gente dá liga.” Ô química… ai ai… Os 50 tons COM cinza? Esse, eu teria lido rs.
E foi assim que eu e o Lê resolvemos nos jogar nessa reforma dessa parede, que antes era branquinha que só. Resolvemos aproveitar esses nichos na parede para forrá-los com um coloridão de recortes de papel de presente. Por fora, abraçando toda essa mistura, ele… o cinza.
Enquanto eu pintava a parede, o Lê cortava diversos papéis coloridos em quadrados de 20cmx20cm. Para colar na parede, em vez de cola, usamos fita dupla-face. Basta recortar algumas tiras e colar nas extremidades do quadrado, bem certinho, no verso do papel! Se sobrar, é só aparar com a tesoura. Mas não deixe faltar fita nas pontinhas para evitar que elas levantem com o tempo. Acredito que essa maneira é mais fácil de trabalhar do que lambuzar o papel de cola e ficar esperando secar sem dar bolha na parede. Isso sem contar quando a tal da cola não pega, né? Dessa maneira, você trabalha como se estivesse colando figurinha. Mamão com açúcar. 🙂
Mas se por um lado eu resolvi simplificar, por outro, resolvi complicar. É que, para dar uma variada nessa coisa de misturar vários quadradinhos coloridos, resolvi colá-los na diagonal. E isso implica em ter um monte de cantinho chato para fazer acabamento (você vai ver mais pra frente). Mas, justamente pela trabalheira que dá, acredito que o efeito compensa e o capricho extra acaba valendo à pena!

 

Tá vendo os cantinhos sem papel? Pois é… agora é hora de colar só metade dos quadrados em cada espaço.

Depois da parede toda colada, aproveitamos os nichos coloridos para instalar algumas prateleiras de compensado, aquela madeira baratinha e simpática que você compra em lojas de bricolagem e já manda cortar na medida.

E pronto! Me diz se o cinza + colorido não formam uma dupla e tanto? Não é à toa que a cor favorita do Lê é o cinza e a minha… (ou melhor, aS minhaS), preciso dizer? ♥

Aí você me pergunta:
Que tinta é essa? É a acrílica fosca da Suvinil, cor CIMENTO. Foram necessárias 2 demãos, com intervalo de 3 horas entre uma e outra.
Que papéis lindos são esses?
Esses papéis não são comprados, são presentes. A La Estampa, para minha alegria, sempre me presenteia com essas impressões que um dia vão virar estampas em roupas. Elas são impressas em papel antes de irem parar no tecido. Depois que o cliente aprova a estampa, essas amostras em papel acabam indo para o lixo. Ou melhor, o meu lixo agora. Mas você pode fazer com papéis de presente de diferentes estampas ou até recortes de revista. 🙂
E para proteger o papel de limpezas? Eu usei 3 camadas de verniz em spray fosco, com intervalos de 30 minutos entre camadas (proteja o nariz!). Acredito que o verniz em spray fosco é a cerejinha do bolo para “selar” o papel e a parede, se é que você me entende. 🙂 Se alguma pontinha teimou em descolar, usei uma cola extra forte com textura em gel. Uma gotinha em cada canto já davam conta do recado.
E essa palavra COR? Contei com o apoio da Melissa, que me doou alguns elementos das suas vitrines antigas. Quando vi algumas letras de madeira dando sopa, não pensei duas vezes em trazer essas três.
E se eu me arrepender? Dá pra tirar? Ai, lá vem você com essa pergunta… Se se arrepender, dá pra tirar, mas você vai ficar com as marcas de cola da fita dupla face e dos retoques com a cola extra forte. Você consegue tirar esse melado de cola com removedor, mas é capaz de manchar a tinta que estiver por baixo. Resumindo, se desistir, é retirar tudo e repintar que tá novo.
E que lugar é esse? Sua casa? Não. Mas vai ser minha 2a casa. 🙂 Esse lugar é um sonho que está se realizando e eu só tenho a agradecer à você. O Ateliê Casa de Colorir tá tomando forma, o cafofinho que sempre sonhei para poder criar, me sujar e, é claro, abrir as portas para receber você de braços abertos. Quando ficar pronto eu mando o endereço, combinado? ♥