blá blá blá do <3

Sua casa, seu espelho

Quando uma mulher fecha um ciclo na vida – o fim de um relacionamento amoroso ou uma mudança de emprego, por exemplo – não demora para que ela desenvolva um desejo fora do comum de mudar o cabelo. Ou seria todo o guarda-roupa? Ou seria tudo junto, ao mesmo tempo, em pouquíssimo tempo? Nada mais feminino que este desejo explosivo de renovação que nos atinge, nos faz querer virar a página e recomeçar. “Vida nova, cabelo, visual… tudo novo!”, como se o que estivesse no lado de fora fosse o impulso que faltava para promover esta mudança que queremos no lado de dentro. Renovar: por que este desejo está tão ligado ao nosso reflexo no espelho? E se a nossa própria casa fosse o nosso espelho? Hum…

Quando mudamos o nosso exterior, mudamos a forma de como o mundo nos vê, por mais que, por dentro, sejamos as mesmas. Quando mudamos a nossa casa, mudamos o jeito de como vemos o mundo. Ou, pelo menos, de como começamos a vê-lo. Por isso, se você muda o seu olhar, é natural que o ambiente em que você vive mude com você. Com o tempo, a gente aprende que ele precisa de cada vez menos espelhos e mais atenção. Afinal, se for pra refletir, que seja você por meio da sua casa.

Nós mudamos de gostos, de amores e até de opinião. Nada mais justo que a sua casa mudar junto. Nós passamos pelas fases floridas, pelas sem cor, pelas nostálgicas e até pelas menos ou mais apaixonadas. E sua casa, segurou a onda com você? Não? Pois deveria, na minha humilde opinião. Se você fez uma viagem que mudou a sua vida, por que não pintar uma parede com uma cor

que te traga lembranças? Está apaixonada? Então mais flores, por favor. E não vamos nos limitar somente à decoração, não! Novos hábitos também são formas de se reciclar. Está numa fase mais ativa? Então escancare a janela e deixe o sol entrar. Acorde cedo, monte um cantinho charmoso para o café da manhã. Se a fase for de estudos, reflexão e aprendizado, permita-se um espaço dedicado a isso. Mude, se reinvente, reconte a sua história quantas vezes precisar. Só não se esqueça de levar a sua casa de mãos dadas com você.

Sabe quando você olha para as suas fotos antigas e se assusta com aquele cabelo ou com a blusa de moleton? Pois é. Você lembra também como você era livre, leve, solta, feliz e nem tinha noção de que podia estar sendo um tanto cafona? Fico pensando por quê você não dá esse direito também para a sua casa. Mude sempre que você quiser mudar. Olhe as fotos do “antes” e ache graça de todos os cantos que não têm mais nada a ver com você. E relembre…. relembre o quanto o tempo passou, o quanto você aprendeu, amadureceu, sorriu e sofreu. E, principalmente, o quanto a sua casinha sempre esteve ali, de braços abertos, acolhendo e traduzindo você!

 

 

 

 

Essas são algumas fotos de mudanças aqui do cafofo nos últimos tempos. O rosa deu lugar a outras cores mais sóbrias, já o tapete de tramas deu lugar a um tapete à prova de mordidas. E assim a casinha vai mudando… trocando uma cor ali, um estampado acolá…

Se eu vou olhar para essas fotos daqui a um tempo e vou torcer o nariz, isso eu não sei. Mas tenho certeza que carregarei na lembrança que a nossa casinha sempre esteve de mãos dadas comigo. E a sua?